9 de outubro de 2010

Mês do Meio Ambiente?

Afinal junho é o mês do Meio Ambiente. O calendário marca uma data e muitos resolvem fazer sua parte como uma contrapartida, feita apenas no mês de junho, ao participar de evento ou ações ecológicas. O mês do Meio Ambiente é todos os meses, todos os dias. Não peço para ninguém salvar as baleias ou separar a água do petróleo nos vazamentos de navios ou plataformas marítimas. Peço que pensem todos os dias o que cada um pode fazer para melhorar a vida do Planeta e dos outros seres que nele habitam. Peço para se dispor a abandonar certos confortos e hábitos destrutivos: o mínimo é separar o lixo, depois vem a redução de todos os consumos, principalmente da água, e por aí podem vir uma série de outras atitudes simples como andar menos de carro, utilizar sacolas retornáveis, desligar luzes ou aparelhos domésticos desnecessários, entre outras coisas. Fica aí a imagem do Rei Zildo Sólido, performance de 15 minutos, apresentada na 1ª Semana Interinstitucional do Meio Ambiente, no Ministério Público do RS. Este é mais um trabalho do Ato Espelhado Companhia Teatral sobre consciência ambiental, dirigido ao público adulto. No elenco e concepção estão os atores Cícero Neves e Patrícia Ragazzon, que contam com o belíssimo trabalho de construção do boneco do Rei Zildo, criado pela cenógrafa e figurinista Patrícia Preiss. Este Rei aparece quando a inconsequência passa dos limites e ele está de olhos bem abertos para levar ao seu mundo subterrâneo os homens que não se importam com a preservação do ambiente onde habitam. Cuidado com ele!

7 de outubro de 2010

Os Atores


Cícero Neves atua desde 1997, quando estreou no espetáculo Glória Mundi Show, de Élcio Rossini. Em sua formação estão incluídos cursos com profissionais da área como Ana Teixeira (RJ), Circo Teatro Udi Grudi (DF), Nicole Kehrberger (Alemanha), Luis Carlos Vasconcelos (PB), Luis Henrique Palese, Cia do Latão (SP), Cia Brasileira de Mistérios e Novidades (RJ), Usina do Trabalho do Ator, entre outros. Atuou com o grupo Manjericão em: Moço que casou com mulher braba e O dilema do paciente; Cloud Nine – Muito Prazer, (Paulo Berton), O Búfalo, (Teatro Íntimo), Ovelha Negra – a versão do rebanho, espetáculo contemplado com FUMPROARTE em 2005 e Ovelha Negra – uma experiência sonora, (Luciane Panisson). No Ato Espelhado Companhia Teatral atuou nos espetáculos: A Fábula Inexistente, Avenida Cores por Todo Lugar, Do Outro Lado do Buraco e Criando Causos na Salamanca do Jarau.

Patrícia Ragazzon é graduada em Artes Cênicas pela UFRGS. Aprimorou-se através de Workshops com: Thomas Leabhart, Maria Lúcia Raimundo, Maria Helena Lopes, Ana Elvira Wuo, Ariela Goldman, Helena Varvaki, Neide Veneziano, entre outros. Entre 2001 e 2006, desenvolveu seu trabalho na Cia. Ameixa Fúcsia que teve como principais espetáculos Ou Isto Ou Aquilo (Patrícia Sacchet), Ovelha Negra – a versão do rebanho e Ovelha Negra – uma experiência sonora (Luciane Panisson). Como artista-criadora, dirigiu e produziu: A Fábula Inexistente, Criando Causos na Salamanca do Jarau e a montagem com alunos: Terror e Miséria do Terceiro Reich. Desde 2007, atua e produz espetáculos e performances no Ato Espelhado Companhia Teatral juntamente com o ator Cícero Neves. Seus mais recentes trabalhos são: A Fábula Inexistente, Avenida Cores por Todo Lugar e Do Outro Lado do Buraco. Foi contemplada com o Prêmio Tibicuera de Melhor Atriz Coadjuvante 2011 por seu desempenho em Avenida Cores por Todo Lugar.